0

"Acesso à cultura no Brasil é terrivel", diz gerente de ministério

22 mar 2012
12h32
atualizado às 12h41

Fábio Kobol Fornazari, gerente de planejamento estratégico do Ministério da Cultura, participou do segundo dia do Fórum Internacional de Cultura, nesta quinta-feira (22), na Livraria Cultura, em São Paulo, e falou sobre o acesso à cultura no Brasil. "Temos uma pesquisa feita recentemente que diz que o acesso à cultura é terrível. O resultado era que 15% eram os frequentadores de teatros, museus e diversas expressões culturais. Os outros, não é que frequentavam às vezes, nunca foram. Não sabem que aquele prédio é um museu, não sabem ler os códigos, não se sentem pertencentes àquela expressão cultural", afirmou. Ao lado de Fábio, estava Ángel Mestres, da Universidade de Barcelona, e o mediador Silas Nogueira. O evento tem transmissão ao vivo pelo Terra.

O trio discutiu a ampliação dos contatos interculturais e o deslocamento do campo da diversidade cultural para a disputa geopolítica. Com a consolidação de economias e indústrias criativas, a geopolítica da cultura desponta como uma questão estratégica para todos os agentes públicos do segmento e gestores culturais. "O Brasil é admirado e valorizado pela sua diversidade cultural. Estereótipos à parte, há um reconhecimento pela sua música, dança e arte. Tivemos o Europalia, na Bélgica, em que apresentamos a arte desde os índios até a vanguarda. E como eles descobrem o Brasil de uma forma interessante. Eles já tem um pequeno conhecimento e, quando têm acesso, isso se desenvolver de um maneira incrível", continuou Kobol.

Sobre o Procultura (Programa Nacional de Fomento e Incentivo à Cultura), que é uma reforma a Lei Rouanet, criada em 1991, afirmou que ninguém deve temer as mudanças. "Se partirmos do ponto que qualquer mudança modifica o status quo, não vamos mudar nunca, porque sempre vai ter alguém prejudicado. Precisamos fazer escolhas, podemos perder a curto e ganhar a médio e longo prazo. É uma questão de justiça, de equilíbrio. O sistema acaba se ajustando. O Ministério da Cultura está preparado. É nome do equilíbrio, mesmo se tivermos uma perda inicial, acho que tudo se equilibra", opinou. "Quem produz cultura é a sociedade, de forma livre", completou Kobol.

O Fórum Internacional de Gestão da Cultura segue até a próxima sexta-feira (23). O evento é uma realização do Celacc (Centro de Estudos Latino-Americanos sobre Cultura e Comunicação), da USP, em parceria com a Livraria Cultura.

O ex-secretário do Ministério da Cultura Alfredo Manevy, o mediador Juarez Xavier e o ex-Ministro da Cultura Juca Ferreira no 1º Fórum Internacional de Gestão Cultural, em São Paulo
O ex-secretário do Ministério da Cultura Alfredo Manevy, o mediador Juarez Xavier e o ex-Ministro da Cultura Juca Ferreira no 1º Fórum Internacional de Gestão Cultural, em São Paulo
Foto: Ricardo Matsukawa / Terra
Fonte: Terra
publicidade