Arte e Cultura

publicidade
03 de dezembro de 2012 • 18h53 • atualizado às 18h57

Palhaços invadem o Rio de Janeiro no encontro Anjos do Picadeiro

Entre as atrações, destaque para o artista catalão Tortell Poltrona,conhecido como um dos mais importantes nomes em atividade no mundo
Foto: Lourdes Carracedo / Divulgação

Palhaços de todo o Brasil e de vários países invadem o Rio de Janeiro a partir desta segunda-feira (3), em evento que vai até domingo (9). Os mestres na arte de fazer rir se preparam para fazer muito barulho e levar alegria à cidade no 11º Encontro Internacional dos Palhaços Anjos do Picadeiro. No evento, que ocupará vários espaços públicos e teatros do Rio, são apresentados 25 espetáculos, além de 4 oficinas de palhaçaria e o Seminário de Comicidade Anjos do Picadeiro.

A abertura do seminário aconteceu na tarde desta segunda-feira e reuniu especialistas e teóricos no assunto, que falaram para dezenas de palhaços, vindos de todas as regiões do Brasil, sobre a arte do clown. Criado pelo grupo carioca Teatro de Anônimo, o evento busca fortalecer e unir os artistas de circo e a arte da palhaçaria, termo que vem ganhando força entre os representantes da categoria.

Na abertura do seminário, realizado no Teatro Nelson Rodrigues, um dos criadores do Encontro Internacional de Palhaços, João Carlos Artigos, destacou a necessidade de “redescobrir o fazer artístico, sem imposições, como um desafio diário”. Descontraído, como não poderia deixar de ser, o artista, que responde pelo palhaço Seu Flor e dirige o grupo de Teatro de Anônimo, também falou sério. Artigos defendeu que o Anjos do Picadeiro deixe de ser um lugar de “fetiche” dos palhaços ou um lugar de sucesso. “Isso não nos interessa, afinal somos o Teatro de Anônimo”, destacou.

‘Um grande circo ao ar livre’

Integrante da companhia carioca Circo da Silva, a “palhaça-cantora” Ultravioleta, que nos momentos mais solenes atende por Paula Preiss, destacou a importância do Encontro de Palhaços para os artistas que atuam nessa área. “O Anjos (do Picadeiro) é esse evento enorme, uma vitrine muito importante. A gente acaba conhecendo outros artistas e fazendo redes de contato. É importante saber como estão as coisas em Pernambuco, em São Paulo, na Colômbia, na Argentina...”

Ela defende, no entanto, mais apoio de empresas às iniciativas como o festival de palhaçaria, dizendo acreditar no potencial que o Rio de Janeiro tem para “se tornar um grande circo ao ar livre”.  Mesmo com as dificuldades de execução de grandes eventos, a ideia reinante entre os representantes da arte do palhaço é de que o momento é bom para quem se dedica ao ofício de fazer rir, seja nos picadeiros, nas lonas ou no meio da rua. “Pouca gente sabe, mas o Rio tem a Escola Nacional do Circo, com cursos gratuitos. Vivemos um bom momento, de resgate. A arte do circo, que é uma arte de resistência, estava morrendo”.

Espetáculos se espalham

Os espetáculos do evento contarão com apresentações gratuitas e outras terão bilheterias com ingressos até R$ 20. De acordo com a organização do evento, mais de 90 palhaços participam da programação, que estará concentrada nos seguintes espaços: Praça Tiradentes, Praça da Bíblia, Praça XV, Praça Melvin Jones, Rua do Mercado, Espaço Cultural Escola SESC, Circo Crescer e Viver, Teatro Carlos Gomes, Teatro Nelson Rodrigues – CAIXA Cultural, Armazém Teatro, Parque das Ruínas e no Pavilhão Teatro Anônimo, sede da companhia na Fundição Progresso.

Entre as atrações, destaque para o artista catalão Tortell Poltrona, responsável pela renovação do palhaço e conhecido como um dos mais importantes nomes em atividade no mundo. Atenções também estarão voltadas para o palhaço Pablo Good Idea, premiado com “Nariz de Ouro”, no XIV Festival Internacional de Clowns de Madrid em 2009.

Do Brasil, tem gente de vários lugares, como Márcio Libar, Os Siderais, Sergio Machado e Teatro de Anônimo (Rio de Janeiro), Alê Casali (Bahia), Lume Teatro, Claudio Carneiro, Seres de Luz Teatro (São Paulo), Pé de Vento Teatro (Santa Catarina), Cia Umpédedois (Rio Grande do Sul), Circo Teatro Artetude e Pipino (Distrito Federal).

Especial para Terra