0

Porchat lança livro com Porta dos Fundos: brasileiro aprendeu a rir de si

7 ago 2013
21h58
atualizado às 22h07
  • separator
  • 0
  • comentários

Um pequeno coletivo de humoristas, um canal no Youtube e 400 milhões de exibições. Um ano se passou desde que o Porta dos Fundos lançou seu primeiro vídeo na web e os fãs não se enjoam do humor ácido e escrachado do grupo. A prova disso foi o lançamento do livro que reúne 37 roteiros dos esquetes lançados desde 2012, em evento que reuniu uma legião de pessoas na Livraria Cultura do Conjunto Nacional, em São Paulo, nesta quarta-feira (7). Entre os presentes estiveram Fabio Porchat, Gregorio Duvivier, Antonio Pedro Tabet, João Vicente de Castro e Ian SBF, criadores do coletivo.

Sophia Abrahão fez uma participação especial no musical 'Tudo Por Um Popstar', que está em cartaz no Teatro Folha, em São Paulo
Sophia Abrahão fez uma participação especial no musical 'Tudo Por Um Popstar', que está em cartaz no Teatro Folha, em São Paulo
Foto: Thiago Duran / AgNews

Satisfeito com o sucesso do canal, Porchat elogiou os profissionais envolvidos, dos criadores aos atores, e afirmou que os roteiros são desenvolvidos com base em um critério: ser engraçado. “O brasileiro é um povo que gosta muito de rir do outro. O português que é burro, o argentino que é safado, mas a gente nunca ri de si. E acho que o brasileiro talvez esteja aprendendo um pouco a rir de si mesmo”, comentou o humorista, ao dizer que não tem medo de ser alvo de processos.

“A gente não pensa na polêmica, pensa no humor mesmo. A gente nunca teve problema nenhum com nada. Já falamos de racismo, de Ka Klux Klan, de suicídio, de religião, de pedofilia... Então acho que é por isso... A gente não pensa em ser polêmico”, avaliou.

O livro
Lançado pela Editora Sextante, o livro traz 37 roteiros fiéis (incluindo os palavrões) de esquetes lançados ao longo deste ano. Com prefácio assinado por Luis Fernando Verissimo, a obra inclui os textos de Na Lata, Traveco da Firma, Término de Namoro e Entrevista de Emprego. A ideia de reunir tudo em um livro, segundo Porchat, foi bem simples: “porque a Sextante disse: vamos fazer um livro?”, divertiu-se.

Ainda de acordo com o humorista, a seleção dos esquetes foi baseada nos roteiros que poderiam despertar o universo lúdico do leitor sem que a imagem fosse tão necessária. Um exemplo que ficou de fora por esse motivo é Fundo Verde, em que o humor é baseado nos movimentos do personagem de Gregorio, que obedece às ordens de um diretor em frente a uma tela de chroma key.

Porchat também destacou os extras presentes no livro: “tem comentário dos autores, contando curiosidades, o que inspirou eles a escreverem aquilo, o que aconteceu de divertido ou inusitado na gravação... É um livro muito colorido, com muita foto, está bem legal”.

Da web para o cinema
O projeto de levar o Porta dos Fundos para o cinema continua firme. Segundo Porchat, as filmagens começam em outubro e a expectativa é de que o longa-metragem seja lançado no ano que vem. “Mas cinema é aquela coisa, né? Você faz e lança em 2040”, brincou. “É um roteiro grande mesmo, não é uma junção de esquetes. É um roteiro com começo, meio e fim, de comédia, escrito pelos mesmos autores e com a mesma pegada do Porta, com os mesmos atores e com a direção do Ian (SBF), que é o nosso diretor também”, adiantou.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade