Carnaval de Recife e Olinda

publicidade
02 de fevereiro de 2013 • 16h36 • atualizado às 16h53

Bonecos gigantes disputam corrida que paga até R$ 2,5 mil em Olinda

A 8ª Corrida de Bonecos Gigantes de Olinda levou turistas, jornalistas, moradores e bonequeiros às ruas
Foto: Celso Calheiros / Terra
  • Direto de Olinda
 

A 8ª Corrida de Bonecos Gigantes de Olinda levou, na manhã deste sábado (2), à Rua de São Bento, no sítio histórico da cidade, turistas, jornalistas, moradores e bonequeiros – que é como se autodenominam os carregadores de um dos símbolos do Carnaval. A corrida foi disputada nas categorias mascote, leve e pesado.

Os vencedores tiveram que correr pouco mais de 900m, saindo do Mercado da Ribeira em direção ao Palácio dos Governadores, sede da prefeitura. Além de correrem com um boneco gigante nos ombros, os atletas carnavalescos têm de manter o equilíbrio e não bater em algum adversário ou mesmo no público.

O sucesso do evento também se tornou um agravante. Como este ano os dois lados dos 900m de calçadas ficou cheio de gente, vários com fotos na mão, o trabalho dos cinco motoqueiros da prefeitura foi maior para manter as vias livres de fotógrafos amadores e adolescentes animados.

Entre corredores e admiradores, todos se divertiram. Entre os mascotes dos times de futebol, Íbis chegou em primeiro, seguido de Patativa e com o Periquito em terceiro lugar. O Íbis, carregado por Nilson Filho, estava muito empenhado. “No ano passado, eu cai bem no fim da prova. Esse ano é meu”. E foi.

Os bonecos gigantes leves são aqueles que pesam até 15kg. Os pesados são os mais pesados do que 15kg. Entre os leves, chegou na frente Tetéu, seguido de A Alma, com Tabaquinho em terceiro. Entre os pesados, Dr.Sorriso foi o primeiro, com Coxê atrás e Sarra de Costa na terceira posição.

A premiação para os vencedores dos leves é R$ 1,5 mil para o primeiro lugar, R$ 1 mil  para o segundo e R$ 800. Os vencedores da categoria pesado e mascote recebem valores iguais: R$ 2,5 mil para o primeiro, R$ 1,5 mil para o segundo e R$ 1 mil para o terceiro. O diretor de Esporte da Prefeitura de Olinda, Guilherme Maranhão, disse que o valor é significativo para os bonequeiros, que ganham, em média, R$ 50 para carregar um boneco. “O período de Carnaval para um bonequeiro é o mesmo que dez contratos, R$ 500”. O vencedor da categoria leve, por exemplo, ganhou três vezes o que outro colega vai receber pelo Carnaval inteiro.

Terra