Blocos de Rua

publicidade
22 de fevereiro de 2012 • 10h21 • atualizado às 12h33

Rio: Carnaval de rua ainda não acabou e deve ter recorde de público

Orquestra Voadora, RJ, blocos, visão geral (terra)
Foto: André Naddeo / Terra
Giuliander Carpes
Direto do Rio de Janeiro

A Prefeitura do Rio de Janeiro já considera o carnaval de rua deste ano na cidade um sucesso, mas a folia nem acabou ainda. Mais de 4 milhões de pessoas passaram pelos quase 500 blocos que se espalharam por todas as regiões do município. "Se você imaginar que temos mais de 4 milhões de pessoas se divertindo na rua sem maiores ocorrências, tem que ver que é um sucesso", afirma o presidente da RioTur, empresa de turismo da prefeitura, Antonio Pedro Figueira de Mello. No ano passado, quase 4,9 milhões passaram pelas ruas do Rio, número que deve ser ultrapassado em 2012.

Nesta quarta-feira de cinzas ainda haverá blocos na rua. Outros nove grupos estão programados para passarem por todas as regiões da cidade. "Carnaval para a gente não terminou. Só termina no domingo depois do desfile do Monobloco", comenta Figueira de Mello. O destaque do dia é o bloco Me Beija Que Sou Cineasta, que se reúne na Praça Santos Dumont, na Gávea, ao meio-dia. E um grupo promete causar certa polêmica. O Planta Na Mente entra em cena às 17 horas na Lapa fazendo manifestação pela legalização da maconha.

A RioTur, no entanto, reconhece que o carnaval de rua causa transtornos. "O maior problema que temos são os mijões. A gente sabe que quando o bloco passa na frente da casa das pessoas atrapalha. Mas a maioria dos foliões são dos próprios bairros. Então quando a gente reclama, tem que saber que são as pessoas dos próprios bairros que se organizam e se trata de uma manifestação popular", ressalta Figueira de Mello. "Qualquer tipo de evento gera transtornos, cabe a nós melhorar isso. Diminuímos o número de blocos, mas o de foliões aumentou."

Terra