0

Centro Histórico de Salvador vira opção de Carnaval longe de tumulto

9 fev 2013
23h55
atualizado às 23h57
  • separator
  • 0
  • comentários

Circula a ideia de que todo turista que vem a Salvador curtir o Carnaval está atrás de tomar todas e beijar muito em blocos e camarotes badalados, mas quem circula pelas ruas do Centro Histórico da cidade percebe que não é bem assim. Com programação diferenciada, focada em música popular e agremiações afro, além de bandas de sopro, a região atrai cada vez mais visitantes, e também baianos que preferem curtir a folia fora da lotação e tumulto do Circuito Dodô (Barra-Ondina).

<p>Passeio pelos antigos quarteirões do Centro Histórico é antídoto contra a tão discutida falta de diversidade do Carnaval</p>
Passeio pelos antigos quarteirões do Centro Histórico é antídoto contra a tão discutida falta de diversidade do Carnaval
Foto: Ana Carolina Araújo / Especial para Terra

Um passeio pelos antigos quarteirões é antídoto infalível contra a tão discutida falta de diversidade na festa soteropolitana. Nem é preciso andar muito. Na noite deste sábado, no Terreiro de Jesus, enquanto um afoxé seguia para a Rua Chile, o bloco Os Bonecões se direcionava para o Cruzeiro de São Francisco, e o Rixô Elétrico do guitarrista Fred Menendez circundava a praça arrastando uma pequena multidão.

<p>Com programação diferenciada, focada em música popular e agremiações afro, além de bandas de sopro, região atrai cada vez mais visitantes</p>
Com programação diferenciada, focada em música popular e agremiações afro, além de bandas de sopro, região atrai cada vez mais visitantes
Foto: Ana Carolina Araújo / Especial para Terra

Este último, por sinal, foi uma das atrações mais interessante da noite. Montado sobre um carro de propulsão humana, carregava uma banda de seis músicos executando um rico repertório de frevo baiano. "Criei esse carrinho pra tocar na Itália, onde não podemos ficar parados na rua por muito tempo. Deu certo e agora eu faço em vários lugares. Todo mundo gosta", explica Menendez. Aprendiz do histórico Osmar, com quem morou por muitos anos, ele carrega no Rixó uma das duas réplicas existentes do Pau Elétrico, que deu origem à guitarra baiana.

A argentina Contanza Almada, 27, está na Bahia pela primeira vez, acompanhada do marido e da filha de seis anos. O trio circulava pelo Pelourinho com máscaras e serpentinas de espumas,  brincando o Carnaval. Hospedados em um hotel em Praia do Flamengo, até gostariam de conferir a festa na Barra, mas receberam dicas de optar por um local mais tranquilo. "Estamos de ônibus e ficamos muito longe. Além disso, com criança é preciso cuidar melhor."

Amantes de Salvador a ponto de manterem uma casa aqui, as irmãs cariocas Ana e Cristina Maior optaram por curtir os próximos dias no Pelourinho. Os motivos são vários. O primeiro são os altos preços que se paga para curtir o que, segundo elas, já ficou igual. "Fomos olhar um camarote para ver o Carnaval e ficava por volta de R$ 1 mil por pessoa.

Para entrar numa festa que é paralela e ficar disputando espaço numa janelinha para ver um pedacinho dos trios", explica Ana. A sensação de festa sem limites também incomoda. "Vim no avião ouvindo só mulheres dizendo quantos iriam beijar, quanto iriam beber. Não acho que seja por aí. Fora o tumulto para ir, para voltar, a desorganização do transporte", diz Cristina, explicando sua preferência pela diversão ao estilo pé no chão.

A artista performática sulmatogrossense Paula Carneiro, 30, que mora em Salvador há sete, é mais enfática. "Me recuso a vestir farda para curtir o Carnaval, a dançar só coreografia. Saio todos os anos totalmente livre, de fantasia, brincando pela rua com meus amigos. Acho que o povo tem que reaprender a fazer o próprio Carnaval, e não ficar só seguindo fileiras", protesta.

Carnaval ao vivo no Terra

O Terra transmite entre os dias 7 e 12 de fevereiro a passagem dos principais trios-elétricos pelos circuitos Barra-Ondina e Campo Grande de Salvador ao vivo e de graça no Terra via computadores, tablets, smartphones ou televisores conectados. A transmissão será em alta definição (HD) ou qualidade standard - dependendo da disponibilidade de banda do usuário - para todo o Brasil e demais países da América Latina. O portal também transmitirá tradicionais bailes e blocos de rua do Rio de Janeiro. Já no dia dos desfiles das escolas de samba do Rio e de São Paulo, o público poderá acompanhar todos os detalhes através de narração minuto a minuto e a apuração nota a nota que definirá as campeãs.

Fonte: Especial para Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade