0

Margareth pede para foliões levarem instrumentos percussivos às ruas

2 mar 2011
08h48
atualizado às 09h16
Bruno Carvalho
Direto de Salvador

Margareth Menezes não para. Muito menos em plena semana de Carnaval. Em entrevista ao Terra, a cantora baiana falou sobre as peripécias carnavalescas, depois de uma entrevista coletiva para a imprensa, no Museu de Arte Moderna (MAM), em Salvador (BA).

Após fazer shows em uma série de ensaios de verão - seus e alheios, ela adiantou que, no primeiro dia de folia, evocará a força da percussão. Ela até convocou seus fãs e todos os foliões para levar algum instrumento percussivo para a avenida. "Vale chocalho, apito, tambor e até panela", brincou. Na terça-feira (8), Margareth faz uma homenagem ao Dia Internacional da Mulher, quando receberá apenas vozes femininas.

A cantora estará, mais uma vez, à frente do Movimento Afropop Brasileiro, um bloco sem cordas que sairá na segunda e terça de Carnaval percorrendo todo o circuito Dodô (Barra-Ondina).

Em cima do trio, a cantora receberá o conterrâneo Tonho Matéria, a banda paulista As Valkyrias, além do cantor camaronês Blick Bassy. A parceria inusitada com o guitarrista Andreas Kisser, da banda de heavy metal Sepultura, também vai dar o que falar. No repertório, além de músicas já consagradas na voz de Margareth, como Dandalunda, Faraó, Ellegibô e Toté de Maianga, a diva promete não deixar ninguém parado, com a animadíssima Saudação ao Caboclo. Bem ao estilo sambareggae axé, a canção está cotada para ser um dos grandes hits deste Carnaval.

Confira abaixo trechos da entrevista exclusiva de Margareth Menezes ao Terra.

Onde desfilará esse ano?
O meu bloco é o Movimento Afropop Brasileiro, sem cordas e gratuito. A gente sai no circuito Barra-Ondina, na segunda e terça feira. O primeiro dia é por volta das 20h e o segundo é umas 19h.

O que haverá de novidade para o Carnaval?
No primeiro dia farei uma homenagem à percussão, convocando os foliões a comparecerem munidos de instrumentos de percussão - podem ser tambores, chocalhos, apitos, panelas... (risos). Vou receber, ainda, o Tonho Matéria e mais dois convidados especiais. Vamos ter também, no bloco, alas de manifestações culturais da Bahia.

Alguma novidade no trio elétrico?
Esse ano vamos sair num trio elétrico novinho, o Estrelar 2. Ainda não conheço, mas o pessoal da produção falou super bem.

E os figurinos? Algo especial?
Esse ano meus figurinos vão ser todos do César Rocha, um estilista baiano talentosíssimo. Os looks dos Ensaios do Afropop foram feitos por ele e eu gostei muitíssimo do resultado. Os vestidos vão ter inspiração afropop, misturando alguns tecidos que eu trouxe da viagem que fiz ao Senegal no fim de 2010 com itens de aspecto mais moderno. Vou usar também um adereço de cabeça bem diferente.

Fale um pouco sobre os seus ensaios pré-Carnaval? Qual foi o saldo?
Os ensaios foram maravilhosos. Fiquei muito contente com tudo que aconteceu nesses ensaios. Foi lindo. Foi sucesso de público e as pessoas comentaram bastante comigo no twitter. Recebi amigos maravilhosos, como Daniela Mercury, Elba Ramalho, Denny da Timbalada e os meninos do Jammil para dividir o palco. Contei também com as participações dos blocos afro, como Malê Debalê, Didá e Muzenza. E ainda conseguimos fazer um espaço para as artes visuais no evento, o Observatório Afropop, que teve exposições dos colares decorativos de Nádia Taquary (artista plástica), dos quadros de César Menezes e dos alunos da Fábrica Cultural, meu projeto social na Ribeira (bairro da Cidade Baixa de Salvador).

Cantora baiana apresenta novidades do seu bloco Movimento Afropop Brasileiro para este Carnaval
Cantora baiana apresenta novidades do seu bloco Movimento Afropop Brasileiro para este Carnaval
Foto: Divulgação
Fonte: Especial para Terra
publicidade