0

Indiciado da Gaviões prestava concurso para Guarda Civil

7 mar 2012
20h21
atualizado às 20h44
Marina Azaredo
Direto de São Paulo

Terceiro indiciado por incendiar a alegoria da Pérola Negra no dia 21 de fevereiro, na apuração do Carnaval de São Paulo, Thiago Henrique Nascimento, 22 anos, se disse arrependido do ato porque prestava concurso para a Guarda Civil Metropolitana de Itapevi. Ele já havia passado na prova escrita, mas acredita que não irá passar nas outras fases por causa da acusação.

O supervisor de vendas se identificou nas imagens obtidas pela Polícia Civil ao lado do delegado Osvaldo Nico Gonçalves, titular do Deatur (Delegacia Especializada no Atendimento ao Turista), nesta quarta-feira (6). Segundo o acusado, ele mostrou que era um dos membros da Gaviões da Fiel que entregou a tocha ao responsável por incendiar o carro.

Thiago contou que acompanha os jogos do Corinthians no estádio desde os 12 anos, mas é associado a Gaviões da Fiel há apenas um. A pena para o crime de incêndio é de quatro a seis anos de reclusão.

Além de Thiago, mais duas pessoas foram indiciadas nesta quarta-feira: o montador de carro alegórico Luciano Zacarias, conhecido como Negão do Barracão, e Edinei Moraes Sarnento.

Edinei, ex-presidente da Camisa 12, disse que se "arrepende 1000%" do que fez por ter agido com emoção. Ele também contou que tem certeza que muitas pessoas queriam ter feito o que ele fez. Segundo ele, muitos membros da Gaviões da Fiel o vêem como herói, mas os diretores da escola repudiaram seus atos. "Se quiserem me expulsar, que expulsem".

O segurança de 36 anos ainda contou que, nos dias seguintes ao tumulto no sambódromo do Anhembi, pessoas o procuraram falando que o viram na televisão, mas ele nunca acreditou que a Polícia iria encontrá-lo. Edinei quase ficou preso por não pagar a pensão alimentícia de um de seus três filhos, mas foi liberado após conseguir um alvará.

Para chegar até o nome dos supostos incendiários, a polícia enviou dois investigadores ao clássico entre Santos e Corinthians, realizado no último domingo (4), na Vila Belmiro, no litoral paulista. "Nossos homens ficaram no meio da Gaviões da Fiel e, assim, acabaram conseguindo descobrir quem eram os procurados", explicou o delegado Nico Gonçalves.

Entenda o caso
Faltando apenas uma nota dez para assegurar o título da Mocidade Alegre, Tiago Ciro Tadeu Faria, 29 anos, integrante da Império de Casa Verde, invadiu a área de apuração, tomou o último envelope das mãos do leitor e o rasgou.

Após o início da confusão, três suspeitos foram flagrados em vídeo ateando fogo em um carro alegórico. Eles usavam camisas da escola de samba Gaviões da Fiel, mas a polícia investiga ainda o envolvimento de integrantes de outras agremiações no tumulto, entre elas a Vai-Vai, a Império de Casa Verde e a Camisa Verde, segundo o delegado Osvaldo Nico Gonçalves, da Deatur.

O tumulto fez com que o Gonçalves anunciasse a detenção do principal responsável por ele: Tiago Farias. Cauê Santos Pereira, 20 anos, integrante da Gaviões da Fiel, também foi detido, por atirar objetos. De acordo com o major da Polícia Militar de São Paulo, Alexandre Gaspariano, cinco integrantes de escolas de samba foram detidos.

O tumulto se espalhou no entorno do Sambódromo. Torcedores foram filmados chutando os portões próximos à área da dispersão e, pouco depois, um carro alegórico da Pérola Negra foi incendiado por um grupo identificado pelo delegado como parte da Gaviões da Fiel. A alegoria tinha estrutura de palha, representando um índio gigante, e acabou totalmente destruída pelo fogo.

Na própria terça-feira (21), uma reunião extraordinária entre a Liga das Escolas de Samba e os diretores das agremiações foi montada para decidir o desfecho do Carnaval 2012, que deixou o título com a Mocidade Alegre.

Fogo tomou carros alegóricos após tumultos na apuração dos desfiles das escolas de samba de São Paulo; três foram indiciados
Fogo tomou carros alegóricos após tumultos na apuração dos desfiles das escolas de samba de São Paulo; três foram indiciados
Foto: Marcos Bezerra / Futura Press
Fonte: Terra
publicidade