Famosos

publicidade
11 de novembro de 2012 • 22h02 • atualizado em 12 de Novembro de 2012 às 23h06

Ator e diretor Marcos Paulo morre aos 61 anos no Rio de Janeiro

Desde 1967 na teledramaturgia, ele morreu devido a uma embolia pulmonar, em sua casa
Foto: TV Globo / Divulgação

O ator e diretor Marcos Paulo, um dos principais nomes da teledramaturgia brasileira, morreu neste domingo (11), aos 61 anos, no Rio de Janeiro. De acordo com comunicado divulgado pela TV Globo, ele sofreu uma embolia pulmonar e morreu em casa, por volta das 21h. O velório, seguido de cremação, ocorre nesta segunda-feira (12), a partir das 11h, no Memorial do Carmo, no Rio de Janeiro.

"Meus amores, acabou. Dessa vez a noticia não é boa. Depois de tudo que passamos, Deus quis assim. Que Deus me dê toda força e sabedoria", disse Antônia Fontenelle, mulher do ator, no Twitter.

No mês de maio de 2011, durante um exame de rotina, Marcos foi diagnosticado com um câncer de esôfago, que o levou a vários meses de tratamento no Hospital São José da Beneficência Portuguesa, em São Paulo. Em agosto, passou por cirurgia para a retirada do tumor e, após pouco mais de uma semana internado na UTI (Unidade de Terapia Intensiva) do local, foi anunciada sua boa recuperação.

No fim do mês passado, Paulo realizou uma série de exames que apontaram uma saúde perfeita e o câncer em total remissão, informou a assessoria de imprensa do Hospital São José, dia 31 de outubro. De acordo com o oncologista Fernando Maluf, Paulo só precisaria, a partir de então realizar novos exames em 2013.

O Fantástico desta semana confirmou que o ator estava vivendo sua rotina normal. Na manhã deste domingo, segundo o telejornal, ele desembarcou no Rio de Janeiro, após uma semana de trabalhos em Manaus (AM), onde fez sua última aparição pública no 9º Amazonas Film Festival, sexta-feira (9). Por volta das 21h, passou mal e, no momento em que ia ao hospital, não resistiu e morreu.

Carreira
Com uma infância sofrida - foi criado pela avó após ter perdido a mãe um dia após seu nascimento, além de nunca ter conhecido o pai -, Marcos Paulo Simões teve a sorte de ter tido como vizinho o novelista Vicente Sesso, com quem sempre se deu bem e que lhe indicou para seus primeiros trabalhos artísticos.

Nascido em São Paulo no dia 1º de março de 1951, Marcos se tornou em suas mais de quatro décadas na área um dos mais conceituados profissionais das artes cênicas no Brasil, atuando tanto na frente das câmeras quanto atrás delas, no cargo de diretor.

Estreou na televisão como ator em 1967, na novela O Morro dos Ventos Uivantes, ainda na extinta TV Excelsior. Depois, ainda passou pela TV Record, no ano seguinte, na trama Ana, e, em 1969, pela Bandeirantes, como Marcos em Era Preciso Voltar. Antes de debutar na Globo em A Próxima Atração, ainda passou pela emissora que o revelou em Sangue do meu Sangue.

Em mais de 40 anos na televisão, Marcos participou de 37 novelas, entre elas, Roque Santeiro, de 1985, no papel de Jorge de Lima, Quatro por Quatro, de 1994, como Gustavo, e Páginas da Vida, de 2006, interpretando Diogo Côrrea. Seu último trabalho como ator se deu em 2008, fazendo participação especial como o Dr. Tadeu, em Desejo Proibido.

A estreia como diretor ocorreu em 1978, no comando de Dancin´ Days, de Gilberto Braga, grande sucesso estrelado por Sônia Braga e Antônio Fagundes. O trabalho nos 173 capítulos gravados foi dividido com Daniel Filho, Gonzaga Blota, Denis Carvalho e José Carlos Pieri.

Ainda ocupou o posto em outras 15 atrações da TV Globo, sendo 11 novelas - como Roque Santeiro e Fera Ferida -, dois seriados - Estação Globo, de 2007 a 2009, e Malhação, em 2009 - e uma minissérie - Parabéns pra Você, em 1983.

Atuou também em filmes brasileiros de sucesso, como Eu Transo, Ela Transa (1972) e Se eu Fosse Você 2 (2008), sendo que sua última aparição nas telonas foi em Faroeste Caboclo, de René Sampaio, no qual fez o personagem Ney.

Paulo assumiu um dos núcleos de direção de programas Globo em 1998, a partir de quando produziu as novelas Meu Bem Querer (1998), Força de um Desejo (1999), Porto dos Milagres (2001), O Beijo do Vampiro (2002), Começar de Novo (2004) e Desejo Proibido (2007). Os últimos programas produzidos por seu núcleo foram Malhação e Os Caras de Pau.

A estreia como diretor nos cinemas só se deu em 2010, com o longa Assalto ao Banco Central, estrelado por Lima Duarte, Eriberto Leão e Giulia Gam. O trabalho foi lançado em julho de 2011, apenas um mês depois da descoberta do câncer no esôfago que o tornou um frequentador assíduo do Hospital São José da Beneficência Portuguesa, em São Paulo.

Vida Pessoal
Marcos Paulos foi casado quatro vezes. Sua primeira mulher foi a jornalista Márcia Mendes. Depois, casou-se com outra jornalista, Belisa Ribeiro. De 1982 a 1984, manteve um relacionamento com Renata Sorrah, com quem teve uma filha, Mariana.

O diretor também foi casado com Flávia Alessandra, de 1997 a 2002. Juntos, são pais de Giulia. Sua filha mais velha é Vanessa, fruto de um relacionamento com a modelo italiana Tina Serina. Atualmente, era casado com a atriz Antônia Fontenelle.

Terra