0

Cardiologista diz desconhecer uso de Propofol fora de hospitais

3 out 2011
19h36
atualizado às 19h57

Em seu depoimento durante o julgamento do Dr. Conrad Murray, acusado de ter sido responsável pela morte de Michael Jackson, a Dra. Thao Nguyen, que atendeu o cantor quando de entrada na emergência da UCLA, afirmou desconhecer o uso do anestésico Propofol fora de hospitais.

"Pelo que sei, ele nunca é usado fora desses locais. E, mesmo neles, esse uso é restrito", garantiu, não sabendo responder à indagação da Defesa sobre a utilização da droga em consultórios odontológicos ou clínicas de gastroenterologia.

A cardiologista falou sobre os riscos do Propofol em procedimentos cirúrgicos e disse que, mesmo tendo autorização para usá-lo, só o faz quando acompanhada por ao menos outros três profissionais, entre eles, um anestesista e ao menos uma enfermeira. "O Propofol pode causar um sério colapso cardíaco e dos pulmões, então só pode ser aplicado em locais específicos, com material para ressucitar o paciente caso necessário", explicou, comentando não haver nenhum medicamento com o qual seja possível reverter o efeito do anestésico.

Segundo ela, o Propofol causa uma sensação amnésica positiva, já que é bom para o paciente não se recordar dos momentos de dor vividos durante uma operação médica.

A Dra. Nguyen ainda negou conhecer o uso da droga por pessoas sem qualquer auxílio médico.

O caso
Dr. Conrad Murray é acusado de matar o cantor Michael Jackson com um dose letal de propofol no dia 25 de junho de 2009, poucos dias antes do astro pop iniciar a turnê de 50 shows This Is It.

Seu julgamento, com júri popular, deu início na última sexta-feira, 27 de setembro, e deve ser por cinco semanas. A promotoria do caso alega "grosseira negligência" do médico na dosagem do anestésico, enquanto a defesa diz que Michael Jackson teria se automedicou até a morte.

Dr. Conrad Murray, acusado de ser responsável pela morte de Michael Jackson
Dr. Conrad Murray, acusado de ser responsável pela morte de Michael Jackson
Foto: AFP
Fonte: Terra
publicidade