0

Em nota, 'A Banca' lamenta morte de Champignon: momento de dor

9 set 2013
11h53
atualizado às 12h02
  • separator
  • 0
  • comentários

A banda que Champignon fazia parte, A Banca, se manifestou nesta segunda-feira (9) sobre a morte do músico. Em nota publicada no site, eles falaram do momento de dor e tristeza e agradeceram aos amigos e fãs. 

<p>O músico foi encontrado morto em seu apartamento</p>
O músico foi encontrado morto em seu apartamento
Foto: Fernando Borges / Terra

Luiz Carlos Leão Duarte Junior foi encontrado morto em seu apartamento, na região do Morumbi, na zona oeste de São Paulo (SP), com um tiro de pistola 380 no rosto. A polícia trabalha com a hipótese de suicídio.

Veja o comunicado na íntegra:

“É com muita tristeza que a família A Banca, amigos e família comunicam o falecimento de Luiz Carlos Leão Duarte Junior, nosso Champignon.
O momento é de muita dor, tristeza e saudade. 
Agradecemos a todos pelas mensagens de apoio e carinho, no momento ainda não temos muitas informações. Fique em paz Champs, nosso eterno guerreiro.” 
Equipe A Banca

O Caso
Luiz Carlos Leão Duarte Junior, conhecido como Champignon, foi encontrado morto em seu apartamento, na região do Morumbi, na zona oeste de São Paulo (SP), na madrugada desta segunda-feira (9), com um tiro de pistola 380 no rosto. A polícia trabalha com a hipótese de suicídio.

Uma arma foi encontrada na mão do músico. Ele estava em casa com Cláudia Campos, sua mulher, que está grávida e deixou o local em estado de choque. Ela chegou a ser atendida em um hospital.

Na noite anterior, ele e a mulher foram jantar com um casal de amigos. De acordo com o corretor de imóveis Alexandre Denaion, vizinho do músico, ele aparentava estar bem e havia consumido "apenas dois saquês". 

Alexandre Denaion relatou que, por volta da 0h05 desta segunda-feira, ouviu um "barulho seco" de um tiro e a voz de Cláudia desesperada repetindo: "amor, você não fez isso". Ele conta que entrou no quarto onde Champignon guardava instrumentos, e viu a arma - uma pistola calibre 380 - na mão do músico, além de muito sangue.

O caso acontece cerca de seis meses depois da morte de Alexandre Magno Abrão, o Chorão, amigo de infância e parceiro com quem Champignon teve desentendimentos na banda Charlie Brown Jr. Atualmente, se dedicava à banda A Banca.

Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade