inclusão de arquivo javascript

 
 

"No Limite da Paixão" estréia nesta segunda

26 de julho de 2003 12h04

No Limite da Paixão é a nova novela do SBT. Foto: Divulgação

No Limite da Paixão é a nova novela do SBT
Foto: Divulgação

Todo mês, uma equipe do departamento de teledramaturgia do SBT, supervisionada pelo diretor David Grimberg, assiste a uma média de cinco a seis novelas da Televisa. A cada capítulo, o grupo faz um relatório completo, onde descreve a trama e avalia o interesse que a produção pode despertar no telespectador. Só depois de avaliar o relatório, Sílvio Santos decide o que vai ou não ao ar.

A estratégia parece estar dando certo. Afinal, sai dramalhão, entra dramalhão e a emissora mantém a inacreditável média de 15 pontos de audiência. A partir da segunda, dia 28, o SBT estréia No Limite da Paixão, que substitui Primeiro Amor: À Mil por Hora no horário das 19 h. "A receita do sucesso é a escolha da novela pela trama, pela realização, pela trilha sonora e pela escalação dos bons dubladores que vão dar o tom exato da emoção", arrisca David Grimberg.

As produções da Televisa já têm um público mais do que cativo no SBT. As tramas propriamente ditas não parecem lá ter tanta importância. Afinal, as novelas mexicanas, ao contrário das brasileiras, não têm dezenas de núcleos interligados por uma trama principal. Na maioria das vezes, a história é sempre focada nos personagens principais. No caso de No Limite da Paixão, em Otávio e Ana Cristina, interpretados por César Évora e Suzana Gonzales, dois velhos conhecidos da audiência do SBT. Ele já fez Privilégio de Amar e Abraça-me Muito Forte e ela, Preciosa e Amigas e Rivais.

Como não poderia deixar de ser, Otávio é daqueles homens cruéis e impiedosos que volta à cidadezinha natal para o funeral do tio. Ao chegar lá, conhece e se apaixona por Ana Cristina, a mocinha da história que foi criada justamente pelo tio do sujeito. A certa altura, um parente fuxiqueiro joga Otávio contra Ana Cristina e diz que a moçoila usou de sua beleza para seduzir o velhote e, principalmente, para tirar dinheiro dele. O que já era desconfiança vira ódio mortal quando Otávio descobre que só vai herdar a fortuna do tio se aceitar se casar com... Ana Cristina. "As novelas da Televisa fazem sucesso porque apresentam histórias de fácil entendimento. Por isso, elas prendem tanto a atenção do telespectador", analisa Mauro Alencar, doutorando em teledramaturgia pela USP.

Como se não bastassem angariar audiência, os dramalhões mexicanos dão lucro certo. Enquanto um capítulo de novela da Globo custa cerca de R$ 100 mil, um da Televisa não custa mais que R$ 60 mil e é vendido aqui por cerca de R$ 5 mil. Ao longo dos últimos anos, o SBT conseguiu a proeza de emplacar algumas "campeãs de audiência" entre as novelas mexicanas.

A maior delas é, sem dúvida, Carrossel, de 1991, que chegou a atingir inéditos 21 pontos. Na segunda metade dos anos 90, outras produções, como Maria do Bairro, Maria Mercedes e Marimar, todas elas protagonizadas por Thalía Ariadne, voltaram a ganhar força no SBT. Maria do Bairro, diga-se de passagem, é a mais exportada do mundo. A novela já foi vendida para mais de 180 países, enquanto Escrava Isaura, da Globo, ainda está na casa dos 120.

Por essas e outras, Record e Rede TV! resolveram investir também em produções importadas de outros países, como Colômbia e Venezuela. Ano passado, a Record até que começou bem. Joana, a Virgem registrava cinco pontos bem na hora do Jornal Nacional. Um Amor de Babá, porém, não teve o mesmo desempenho no Ibope. Com pífios dois pontos, foi retirada do ar sem qualquer aviso prévio.

Já a Rede TV! está propensa a não desistir facilmente. Apesar de Pedro, o Escamoso, com míseros dois pontos, não estar repetindo o sucesso de Betty, a Feia, que chegou a seis, a emissora firmou contrato com a Venevision International para exibir tramas venezuelanas. "A estratégia da emissora é navegar na contramão. Jamais vamos competir com a Globo no horário de novelas. Buscamos horários alternativos. Nossa meta é alcançar o terceiro lugar e ultrapassar Band e Record", ambiciona Marcelo de Carvalho, vice-presidente da Rede TV!.

TV Press