inclusão de arquivo javascript

 
 

Fernanda de Freitas se inspira em Beleza Americana

10 de novembro de 2003 10h03

Fernanda de Freitas viu  Beleza Americana  três vezes para compor personagem. Foto: Luiza Dantas/TV Press

Fernanda de Freitas viu Beleza Americana três vezes para compor personagem
Foto: Luiza Dantas/TV Press

Assim que recebeu a sinopse de Kubanacan, Fernanda de Freitas não teve dúvidas: a mimada Consuelo era tudo aquilo que ela não queria para a própria vida. Depois de seis meses no ar, a atriz continua não perdoando a futilidade da personagem, bem como sua falta de cultura e de curiosidade pelas coisas, a enorme importância que atribui às aparências e o "dom" de manipular as pessoas. Mas "deita e rola" com cada uma destas características. "É uma personagem de um adorável humor", justifica.

É no humor de Carlos Lombardi, aliás, que ela aposta ao tentar explicar a simpatia do público por Consuelo. "Ela não segue o molde das personagens cativantes, mas o texto é tão leve e tão engraçado que o público torce por ela", opina.

Para compor Consuelo, Fernanda misturou a imagem clássica e glamourosa da mulher nos anos 50 do século passado à sensualidade à flor da pele de ninfetas como Lolita, do livro homônimo de Vladimir Nabokov, e Angela Hayes, personagem de Mena Suvari no filme Beleza Americana, de Sam Mendes. Só a Beleza Americana ela assistiu três vezes. E reviu a versão cinematográfica de Stanley Kubrick para Lolita, a que já tinha assistido na época de compor Lolô, de Coração de Estudante, sua primeira novela. "Sabia que ela usaria a sedução, mas não queria que fosse vulgar. Por isso, quis me inspirar em exemplos não muito pesados", explica.

A inspiração da época veio sobretudo de Rita Hayworth em Gilda, de Charles Vidor. O filme foi uma recomendação do diretor Wolf Maya, que sugeriu ao elenco feminino a cuidadosa observação dos "modos" da época - o pós-guerra. "A mulher era completamente diferente. O olhar, os modos de sentar e andar, tudo", ensina, com ares de quem aprendeu a lição. O toque do diretor veio sob medida para Fernanda, que atribui à observação um dos principais talentos do ator. Toda vez que se depara com uma personagem, ela passa a olhar com atenção todos os comportamentos à sua volta, seja nas ruas, no cinema ou em espetáculos de teatro e dança, que faz questão de freqüentar com assiduidade. "Tudo isso ajuda não só profissionalmente, mas pessoalmente também", destaca.

Em sua segunda novela, Fernanda já se julga bem mais ambientada ao mundo da tevê. Na estréia, em Coração de Estudante, ela confessa que recorria apenas à intuição para fazer seu trabalho. Hoje, no entanto, a atriz faz questão de aproveitar cada minuto de espera nos sets para aprender mais sobre a parte técnica da produção de teledramaturgia. "Sempre que posso, sento ao lado do câmara, pergunto, olho, mexo no equipamento...", conta, empolgada. Mas o interesse não esconde qualquer pretensão no campo da direção de cena. "Acho que tudo isso tem muito a acrescentar no meu trabalho de atriz", justifica.

É também como um exercício que Fernanda encara o atropelado ritmo de gravações de Kubanacan. Não é raro ela receber o texto que vai gravar num dia à meia-noite do dia anterior. Mas, não fosse a saudade da família - que mora em São José do Rio Preto e ela não vê desde o início da novela - este não seria um problema. "A gente sempre brinca dizendo que queria ver um ator americano recebendo o texto na véspera da gravação. E a gente dá conta do recado!", gaba-se.

Quanto aos rumos de Consuelo, Fernanda não sabe o que esperar. Mas dribla a ansiedade com um célebre discurso. "Novela é uma obra aberta, estamos sempre sujeitos a mudanças", repete. Ela chegou a ensaiar uma surpresa quando a serelepe mocinha andou jogando seu charme para cima de Guillermo, vivido por Daniel Del Sarto. Mas a trama logo voltou aos trilhos e ela agora insiste em Carlito, personagem de Iran Malfitano. Aconteça o que acontecer, no entanto, a atriz sabe que não corre o risco de perder o fio da meada. "O negócio dela é saber se o cabelo está bom, se a unha está feita, se a roupa está passada e se os homens estão aos seus pés", simplifica, numa sonora gargalhada.

O valor da persistência
A carreira de Fernanda de Freitas começou como um ímpeto quase infantil. Fã de carteirinha da apresentadora Xuxa desde a adolescência, ela saiu de São José do Rio Preto aos 20 anos para correr atrás do sonho de trabalhar com a "Rainha dos Baixinhos". Depois de enviar inúmeras fotos para a produção do "Planeta Xuxa", foi escolhida num concurso para ser uma das Garotas do Zodíaco, em 2000. "Larguei casa, família, amigos, faculdade e trabalho, sem nenhum planejamento", reconhece a atriz, que cursava o segundo ano da faculdade de Psicologia.

Pouco tempo depois, no entanto, o programa saiu do ar e Fernanda chegou a passar dificuldades no Rio de Janeiro. Ela estava quase cedendo aos conselhos de que deveria voltar à cidade natal quando foi escolhida para protagonizar um comercial dos sucos Del Valle. "Este trabalho me tirou do sufoco e percebi que isso era um sinal de que não deveria desistir da carreira", conta. Depois disso, Fernanda fez testes para o programa Sandy e Junior e ficou entre três finalistas para a vilãzinha Thaíssa, de Malhação, que acabou nas mãos de Bárbara Borges.

Mais uma vez o destino deu uma mãozinha. O diretor Ricardo Waddington se lembrou de seu teste para o "folheteen" e a convidou para o elenco da novela Coração de Estudante. "Nem precisei fazer teste", ressalta Fernanda.

Quando terminar Kubanacan, ela pretende fazer cursos de interpretação e batalhar a estréia no teatro e no cinema. "Não tenho mais dúvidas: vou realizar muita coisa", aposta.

Instantâneas
# Fernanda de Freitas nunca se incomodou com as constantes comparações de sua aparência com a da atriz Deborah Secco. Mas confessa que ficou bem mais feliz quando as pessoas começaram a abordá-la por seus próprios trabalhos. "É importante a gente perceber que está construindo uma identidade", justifica.
# Nas horas vagas, Fernanda de Freitas ainda se dedica à leitura dos livros da época da faculdade de Psicologia. "Ajuda na hora de compor os personagens", explica.
# Fernanda de Freitas divide apartamento com uma amiga de São José do Rio Preto no Rio de Janeiro. E garante se sair muito bem nas tarefas domésticas. "Lá em casa, todo mundo aprendeu a cuidar das próprias coisas", assegura.
# Os dois trabalhos de Fernanda de Freitas em novelas têm toques de comédia. A atriz diz adorar o estilo, mas pretende experimentar algo diferente em seus próximos trabalhos.

TV Press