inclusão de arquivo javascript

 
 

"Essas Mulheres" estréia 2ª em clima otimista

30 de abril de 2005 10h00 atualizado às 10h00

Carla Regina, Cristine Fernandes e Mirian Freeland são as estrelas da novela  Essas Mulheres , da Record. Foto: Fernando Martinho/TV Press

Carla Regina, Cristine Fernandes e Mirian Freeland são as estrelas da novela Essas Mulheres, da Record
Foto: Fernando Martinho/TV Press

Nem o mais otimista dos executivos da Record poderia imaginar queA Escrava Isaura faria o sucesso que fez. A nova versão do clássico de Bernardo Guimarães, escrita por Tiago Santiago e dirigida por Herval Rossano, alcançou média de 15 pontos e picos de 20.

Com isso, conquistou a vice-liderança no horário das 19h e obrigou o SBT a mexer em sua grade. Para consolidar sua posição, a emissora resolveu não arriscar.

Na segunda, dia 2, estréia Essas Mulheres, mais uma novela de época baseada em um clássico da literatura brasileira. Em um, não; em três.

Escrita por Marcílio Moraes e Rosane Lima, concilia três romances de José de Alencar, Senhora, Lucíola e Diva.

"A Escrava Isaura não surpreendeu só a Record, mas a todo o mercado. Por isso, existe uma expectativa da nossa parte de fazer um trabalho tão bacana quanto o anterior", avalia o diretor Flávio Colatrello, que troca de emissora depois de 18 anos de Globo.

Mas Colatrello não é o único. Enquanto não monta seu "cast" fixo - Bianca Rinaldi e Déo Garcês foram os primeiros a assinarem contratos longos -, a Record convoca atores "freelancers" para trabalharem em suas novelas.

Carla Regina é uma delas. A atriz já passou por diversas emissoras, como Globo, SBT e Manchete. Na Record, protagonizou, há cinco anos, Marcas da Paixão, de Solange Castro Neves.

"Sou uma atriz e, como tal, dependo de convites. E, de preferência, convites bons e interessantes", ressalta a atriz, que interpreta Maria da Glória em Essas Mulheres.

De família pobre, entra em desespero quando os pais adoecem de febre amarela. Sem saber o que fazer, se prostitui para ajudá-los. Até que se torna Lucíola, a cortesã mais desejada do Rio de Janeiro.

Tão sofrida como Maria da Glória só mesmo Aurélia Camargo. Interpretada por Christine Fernandes, é uma jovem pobre que come o pão que o Diabo amassou depois que o pai morre.

Para sobreviver, aceita trabalhar como criada na casa de sua maior rival, a odiosa Adelaide, vivida por Adriana Garambone. Até que, um dia, recebe uma herança deixada por um avô distante e realiza o maior sonho de sua vida: se casar com Fernando Seixas, interpretado por Gabriel Braga Nunes.

Sem fazer novelas desde Estrela-Guia, de 2001, Christine volta à tevê depois do nascimento de Pedro, hoje com 1 ano e nove meses. "Nenhum outro veículo dá um feedback tão imediato quanto a tevê. Foi só a Record exibir as primeiras chamadas para eu sentir a reação do público nas ruas", valoriza.

Ao contrário das desafortunadas Maria da Glória e Aurélia Camargo, Mila Duarte, personagem de Míriam Freeland, é a mais abastada das três protagonistas de Essas Mulheres.

Irrequieta, vive a contestar os limites morais impostos às mulheres de sua época. Por isso, entra em conflitos com a mãe, Leocádia Duarte, interpretada por Ana Beatriz Nogueira.

Acometida de graves distúrbios psicológicos, vai suscitar ainda mais polêmica ao se envolver com o médico negro que cuida dela, o Dr. Augusto, vivido por Alexandre Moreno.

Pela quarta vez consecutiva, volta a trabalhar numa produção de época. Antes, já havia feito O Cravo e a Rosa, Esperança e Um Só Coração, todas na Globo. "Costumo dizer que devo ter cara de camafeu. Mas não me incomodo. A oportunidade de viver diferentes épocas é sempre enriquecedora", elogia ela.

Embora moradoras do Rio de Janeiro da segunda metade do século 19, Maria da Glória, Aurélia Camargo e Mila Duarte jamais se encontraram na literatura de José de Alencar.

Já na novela da Record, serão amigas íntimas. O autor de Essas Mulheres providenciou um elo entre as três: Ordália, de Luciene Adami. Apesar de não existir em nenhum dos três romances, a professora de piano e francês entrelaça a vida das três heroínas.

Falecido em 1877, José de Alencar morreu deixando inúmeras obras-primas da literatura brasileira, como O Guarani, Iracema e As Minas de Prata. Muitas, inclusive, já adaptadas para a tevê.

"O José de Alencar é um ficcionista extremamente portentoso. Não é à toa que o próprio Machado de Assis nutria fervorosa admiração por ele", destaca Marcílio Moraes.

Quem é quem Essas Mulheres
# Aurélia Camargo (Christine Fernandes) - De família pobre, enfrenta apuros depois da morte do pai. Para sobreviver, trabalha como criada de sua maior rival, Adelaide. Ao receber uma herança do avô, torna-se a mulher mais rica da Corte. Planeja, então, uma vingança contra os que a humilharam no passado.
# Fernando Seixas (Gabriel Braga Nunes) - Apaixonado por Aurélia, é um dos solteiros mais cobiçados do Rio de Janeiro. Apesar de justo e íntegro, é viciado em jogos. Depois de perder o que possui, aceita se casar com Adelaide por causa do dote de 30 contos de reis que ela oferece.
# Mila Duarte (Míriam Freeland) - Amiga de Aurélia, vive em conflito com a mãe, Dona Leocádia, por conta de seu temperamento forte. Acometida por graves distúrbios psicológicos, vai se apaixonar por Augusto, médico recém-chegado da Europa.
# Dr. Augusto (Alexandre Moreno) - Negro, supera todos os preconceitos para estudar Medicina na Europa. Quando retorna, é chamado para cuidar de Mila, por quem se apaixona.
# Geraldo Duarte (Theodoro Cochrane) - Irmão de Mila e amigo de Fernando e Eduardo. Irresponsável, não pensa em outra coisa a não ser em bebidas, mulheres e jogatinas.
# Maria da Glória/Lúcia (Carla Regina) - Moça pobre, entra em desespero quando os pais adoecem de febre amarela. Sem saber o que fazer, se prostitui para comprar remédios. Expulsa de casa, passa por uma transformação quando se abriga num dos principais bordéis da cidade. Torna-se, então, Lucíola, a mais desejada das cortesãs.
# Nicota (Natália Rodrigues) - Irmã mais moça de Fernando, enche o irmão de mimos, mas tem apurado senso crítico. Jovem, está na idade certa para se casar, só lhe falta o dote.
# Adelaide Amaral (Adriana Garambone) - É a grande adversária de Aurélia. Filha de banqueiro, é poderosa e dissimulada. Nutre um amor obsessivo por Fernando e vai fazer de tudo para conquistá-lo.
# Dr. Torquato Ribeiro (Petrônio Gontijo) - Médico bondoso e dedicado, não cobra as consultas de pacientes menos abastados. Vai se casar com Adelaide, que se aproveitará de seu amor para usá-lo contra Aurélia.
# Ordália (Luciene Adami) - Professora de piano e francês. Sob o patrocínio de Artur, pai de Adelaide, dá aulas em seu salão para moças sem condições como Aurélia e Maria da Glória.
# Manoel Lemos (Paulo Gorgulho) - Tio de Aurélia, mantém uma fachada de comerciante próspero e honesto, mas está sempre metido com contrabando e aliciamento de mulheres. Vai pôr em risco a felicidade de Aurélia, oprimir Maria da Glória e, principalmente, ameaçar aqueles que atravessarem o seu caminho.
# Marli Lemos (Ingra Liberato) - Mulher de Lemos, procura não se envolver com os negócios escusos do marido, que sempre a mantém a parte de tudo. Insatisfeita com seu casamento, entra em atrito com ele.
# Bela Lemos (Talita Castro) - Filha de Lemos e Marli, é fútil e preconceituosa. Fica sempre do lado do pai, mesmo que ele esteja errado. Cúmplice de Adelaide em suas tramóias contra Aurélia Camargo.
# Paulo Silva (João Vitti) - Ingênuo e romântico, sonha em seguir a carreira diplomática. Um dia, se apaixona por Glória, quando ela já é uma cortesã.
# Eduardo Abreu (Marcos Winter) - Sensível e bondoso, sofre com a paixão não-correspondida por Aurélia. Rejeitado, vai perder tudo o que possui e ficar na mais absoluta miséria.

Instantâneas
# Publicado em 1875, Senhora foi o terceiro romance de José de Alencar a trazer o subtítulo de Perfil de Mulher. Os outros dois são Lucíola e Diva, lançados em 1862 e 1864 respectivamente. Os três foram escritos sob o pseudônimo de G.M.
# Ao lado do baiano Jorge Amado, o cearense José de Alencar é um dos mais adaptados da teledramaturgia brasileira. As novelas As Minas de Prata, de Ivani Ribeiro, e Senhora, de Gilberto Braga, e a minissérie O Guarani, de Walcyr Carrasco, são apenas algumas delas.
# A novela Essas Mulheres está orçada em R$ 15 milhões, o mesmo valor gasto emA Escrava Isaura. A previsão é que a novela dure de 120 a 140 capítulos. Já A Escrava Isaura teve 160 capítulos.
# Até o final da novela, o elenco e a equipe técnica de Essas Mulheres devem voltar a Tiradentes, cidade histórica de Minas Gerais, mais cinco vezes, para gravar as externas da novela.
# Em 20 anos de Globo, Marcílio Moraes foi colaborador de Dias Gomes em Mandala e de Lauro César Muniz em Roda de Fogo. Como titular, escreveu Mico Preto e Sonho Meu.

TV Press