inclusão de arquivo javascript

 
 

Ju Trevisol "levou susto" com convite para Floribella

29 de janeiro de 2006 17h21

Julianne Trevisol andava desiludida, sem acreditar que conseguiria um bom papel na tevê. Também pudera. A atriz de 22 anos, fazia testes desde os 15 e só emplacou algumas participações, como em Malhação e Zorra Total. Com tantos "não", a jovem já ía para as seleções de elenco sem a menor esperança. Tanto que nem sentia mais aquele friozinho na barriga na hora de participar dos testes.

"Levei um susto quando me ligaram dizendo que fui escalada para Floribella. Acho que o segredo é relaxar", argumenta a atriz, que faz a personagem Olívia na novelinha da Band. Mais tranqüila ainda Julianne ficou com o fato de trabalhar com o público infantil.

Professora de balé e de teatro para crianças na faixa de 3 a 6 anos, a iniciante acredita piamente que vai conquistar os telespectadores mirins. "Tenho muito jeito com criança. E não há nada mais gratificante do que ver aqueles olhinhos pequenos brilhando", derrama-se.

Por mais que se sinta à vontade com a temática de Floribella, Julianne deixa escapar um certo nervosismo na hora de falar da experiência no vídeo. Até hoje a moça fez apenas comerciais e cursos de tevê, por isso se sente insegura com as marcações de cena e a linguagem do veículo.

"Esse início é uma fase de adaptação, pois minha maior experiência é no teatro", reconhece. Julianne costuma buscar o apoio dos colegas de trabalho. Vire e mexe, ela pede conselhos ao diretor Sacha e aos companheiros de cena.

Talvez por essas dificuldades típicas de uma novata, Julianne não pensa em nada além de trabalho. Atualmente, além da novela, a atriz dá expediente no espetáculo infantil Busca da Magia, de Vítor Frade e José Paulo Castro. Para dar conta dos dois ofícios, a jovem tem de ensaiar a peça durante as madrugadas. E com esse ritmo atribulado, a moça dorme apenas 4 a 5 horas por noite. "Estou que nem uma louca. Mas também não quero parar", garante.

Essa agitação de Julianne acabou criando alguma dificuldade na hora de compor a doce e pacífica Olívia de Floribella. Para a atriz, no entanto, encontrar o tom exato de Olívia é uma oportunidade de utilizar toda sua sensibilidade artística. "A graça da minha profissão é essa. Mas também não é mole dar vida a uma pessoa completamente diferente", valoriza.

O único atributo que Julianne se identifica com a personagem é o gosto pela música. Desde os seis anos, a atriz faz sapateado, jazz, dança de salão e aulas de canto. Apesar de considerar sua voz apenas boa, ela acredita piamente que não vai pagar mico na hora de gravar as cenas como backing vocal da banda de Flor, vivida por Juliana Silveira. "Dessa área eu entendo. Afinal, passei mais da metade da minha vida estudando isso", gaba-se aos risos.

O fato de finalmente ter conseguido um papel na tevê não deixa Julianne tranqüila em relação à carreira televisiva. A atriz acredita, inclusive, que é raro um ator ter estabilidade financeira sem estar na tevê. Como não se imagina em outra área, ela encara como fundamental mostrar talento nesse primeiro trabalho em novelas. "Ou eu mostro talento ou estarei fora desse mercado de vez", dramatiza.

TV Press