0

"Murray fez tudo errado, foi bizarro", diz cardiologista sobre caso MJ

12 out 2011
14h27

Dr. Alon Steinberg, um dos principais cardiologistas da Califórnia, afirmou nesta quarta-feira (12), durante depoimento, que Michael Jackson jamais poderia ter usado o medicamento Propofol em casa para dormir, já que este só deve ser administrado em um hospital, e por um anestesista, e que Conrad Murray, na condição de médico, sabia muito bem disso. "Conrad Murray fez tudo errado, não agiu corretamente com os procedimentos quando percebeu que algo estava errado com Michael Jackson e acabou não ajudando. Foi bizarro", disse.

Steinberg fez questão de afirmar que todo o seu depoimento era baseado nas próprias palavras de Murray ao relatar o que aconteceu no dia em que o cantor morreu.

"Ele (Murray) não tinha sequer os equipamentos básicos em caso de uma emergência e parecia não ter ideia do que estava fazendo", continuou, acrescentando que o mesmo aconteceu quando Murray chegou ao Centro Médico da Universidade de Los Angeles (UCLA) e, nervoso, não sabia dizer nem o que tinha tentado para reanimar Michael, era incoerente.

"Murray poderia ter usado Flumazenil, um antídoto para o Propofol, ligado para o 911, deveria ter dado oxigênio através de uma bolsa com pressão, mas ao invés disso tentou respiração boca a boca, que não tem o mesmo efeito", falou. "Murray fez massagem cardíaca, mas o coração de Michael estava batendo normalmente. Ele não soube lidar com os reais problemas: a má administração do anestésico Propofol e a respiração".

O cardiologista ainda encerrou a primeira parte de seu depoimento dizendo que Murray nem ao menos permaneceu perto de Michael enquanto o cantor estava sob efeito da medicação, procedimento considerado básico. "Ainda posso citar como bizarros a falta de um assistente e de um anestesista, todo médico sabe que deve tê-los por perto quando administra Propofol", finalizou.

"Murray não poderia sequer administrar o Propofol em casa", disse o cardiologista durante depoimento
"Murray não poderia sequer administrar o Propofol em casa", disse o cardiologista durante depoimento
Foto: AFP
Fonte: Terra
publicidade