inclusão de arquivo javascript

 
 

Claudia Rodrigues e Marcelo Serrado estréiam peça

17 de outubro de 2003 18h08 atualizado às 18h24

Claudia Rodrigues e Marcelo Serrado em cena da peça. Foto: Cláudio Andrade/Especial para Terra

Claudia Rodrigues e Marcelo Serrado em cena da peça
Foto: Cláudio Andrade/Especial para Terra

Claudia Rodrigues e Marcelo Serrado estreiaram nesta quinta (16), no Teatro Cândido Mendes (RJ), a comédia romântica Esse Alguém Maravilhoso que Eu Amei. A peça tem texto e direção de Aloísio de Abreu, e conta ainda com a co-direção de Cininha de Paula.

Esse Alguém Maravilhoso que Eu Amei conta a história de dois escritores que se envolvem afetivamente e de suas dúvidas, questionamentos, inseguranças depois de sete anos de relação. Tudo com muito humor.

"É uma comédia despretensiosa, que tem a intenção de divertir. O público vai se identificar com os personagens. Todo mundo já disse ou ainda vai dizer algumas das frases que fazem parte dos diálogos do espetáculo", conta Marcelo Serrado, que além de atuar, também é o produtor do espetáculo.

"É um texto primoroso que tem uma identificação imbatível", reitera Claudia, feliz por resgatar a parceria com Serrado e Aloísio. Os três trabalharam juntos na peça Sobe o Pano, em 1999. Em Esse Alguém Maravilhoso que Eu Amei, o improviso acontece com a maior naturalidade, até mesmo nos números com a platéia.

Além do casal, Claudia incorpora uma Julieta moderninha, que sai do telão para questionar a relação dos dois, enquanto Marcelo interpreta D. Quixote e dá vida a um amigo esquisitão da personagem da atriz. Isso para não falar das imagens dos dois que vão sendo projetadas num enorme telão que faz parte do cenário criado por Fernando Mello da Costa, e que remete a um enorme computador.

Esta é a quarta investida de Serrado como produtor (as outras foram em Sobe o Pano, Viagem Ao Centro da Terra e O Beijo no Asfalto). Ele resolveu convidar Cininha de Paula para dividir a direção com Aloísio de Abreu.

"Eles são como se fossem um grupo, e me senti muito honrada em fazer parte dessa turma". Cininha já fez vários trabalhos em teatro e TV com Claudia Rodrigues e dirigiu Marcelo em um episódio de Brava Gente.

"Estamos trabalhando com os limites entre o cômico, o dramático e o patético. Acho que as pessoas vão se surpreender ao ver o Marcelo fazendo um papel cômico e descobrindo o lado dramático da Claudinha", afirma a diretora que estava afastada do teatro desde Somos Irmãs, em 1998. Amigo de Claudia e Marcelo desde 1999, o autor Aloísio de Abreu conhece bem o gosto de cada um e seu jeito de interpretar. E isso contou muito na hora de escrever o texto de Esse Alguém Maravilhoso que Eu Amei.

"É uma peça sobre o amor e eu escrevi especialmente para eles", conta Aloísio, autor de grandes sucessos do teatro como Subversões. Homem de mil e uma facetas, Aloísio é também o autor da trilha sonora que é um dos pontos altos do espetáculo.

"Eu escolhi músicas românticas, mais derramadas, que tem cores quentes e traduzem o espírito do espetáculo, como 'Por que não me mata de uma vez?' do Reginaldo Rossi, 'Boneca de Amor', com a Ângela Maria, 'Cansei de Ilusões', do Althemar Dutra e 'Minchura', da Neuzinha Brizola. Músicas que podem ser consideradas bregas pela maioria, mas eu não acho", completa Aloísio, que ainda faz questão de esconder uma surpresa musical para o final.

Redação Terra