Tas ao Vivo

Tas ao Vivo

Deputado federal Ronaldo Caiado analisa a coluna vertebral da política no último Tas ao Vivo de 2013

Depois dos deputados Romário e Jean Wyllys e do senador Cristovam Buarque, Ronaldo Caiado, líder do DEM, foi entrevistado hoje no Tas ao Vivo e completou o ciclo de políticos que participaram do programa em 2013. Também produtor rural e médico-ortopedista, Caiado falou bastante sobre ruralismo e sobre o programa “Mais Médicos”, mas conversa também tratou de muitos aspectos e personagens da política nacional: Dilma, Garotinho, reforma política, corrupção, maconha, eleições 2014 – tudo permeado pelas interações da audiência.

Foto: Bruno Santos/Terra

“Nós brasileiros estamos pagando Cuba com R$ 10 mil por médico por mês. É uma maneira de quitar uma dívida. Os colocam ali para pagar uma dívida de Estado” – Ronaldo Caiado
 

A condição de médico cirurgião lhe dá estofo para falar bastante do “Mais Médicos”, programa do governo que vem combatendo com veemência desde o começo. “A área mais mal avaliada do governo é a saúde, e em vez de atender essa demanda e deslocar médicos brasileiros qualificados, ele fez um jogo de marquetagem política”, acredita Caiado. “Existe uma concentração real dos médicos nas grandes cidades. Por isso precisamos criar uma carreira de Estado. O juiz tem uma carreira de estado para ir para o interior. Ele indo para o interior, teria as garantias”. Marcelo Tas quis saber porque o médicos cubanos diferem dos outros que participam do programa, questionamento que surgiu por conta da PL 6.282/2013, sugerida por Caiado, que permite a concessão do visto para os cidadãos de Cuba que ingressarem no Brasil pelo programa federal. “Isso se chama escambo. Dos R$ 10 mil, eles recebem R$ 600”, disse ele sobre o fato do médicos cubanos não poderem trazer a família, não receberem visto no passaporte e ainda receberem apenas uma pequena parte do salário. O restante é encaminhado diretamente para o governo de Cuba. “Nós brasileiros estamos pagando Cuba com R$ 10 mil por médico por mês. É uma maneira de quitar uma dívida. Os colocam ali para pagar uma dívida de Estado”, explicou ele, que diz ter criado uma frente de defesa aos médicos cubanos.

“A eleição só produz escândalos, ingovernabilidade, negociatas… Precisamos quebrar a cultura da compra do voto” – Ronaldo Caiado

Eleições 2014
Caiado diz que gostaria muito de estar presente entre os candidatos a presidente do Brasil em 2014, como já fez em 1989, mas que ainda é cedo para dizer se ele estará no páreo. O partido DEM está debatendo o assunto neste momento. “Eu trabalho muito para querer ir para esse debate. O momento que o Brasil vive hoje precisa que das pessoas mostrar muita coerência pro eleitor, ter coragem de assumir posições”. Especialmente se até lá a tão sonhada Reforma Política, da qual Caiado é relator, já tiver saído do papel. O deputado federal criticou fortemente o sistema político brasileiro: “A eleição só produz escândalos, ingovernabilidade, negociatas… Precisamos quebrar a cultura da compra do voto”.

Para o “Momento Sensual” do programa, nós preparamos uma pegadinha com o deputado federal para mostrar pra audiência como as coisas rolam entre tapas e beijos em Brasília. Durante a votação da Medida Provisória dos Portos, os líderes do DEM, Ronaldo Caiado, e do PR, Anthony Garotinho, protagonizaram um embate épico na Câmara. Caiado não fugiu da briga mais uma vez: “Não posso admitir que um cidadão venha dizer que a postura de um partido está vinculado a quem quer que seja”.

Veja abaixo o que mais Caiado falou sobre Garotinho no último Tas ao Vivo do ano.


 
 
Leia também X Deputado federal Ronaldo Caiado analisa a coluna vertebral da política no último Tas ao Vivo de 2013