TV

Canal Viva repete sucessos da televisão brasileira

atualizado às 10h21
  • separator
  •  
  • comentários
Mauro Trindade

A televisão que tudo vê, tudo ouve e tudo grava se esquece de tudo. Não existe uma memória efetiva da televisão brasileira, que viu grande parte de seus acervos destruídos em incêndios e em falta pura e simples de conservação. O recém-lançado Canal Viva, da Globosat, que reapresenta novelas, shows e seriados mais antigos, como A Casa das Sete Mulheres e Sexo Frágil , também não repensa o passado da tevê, mas simplesmente repete programas nem tão velhos assim.

O processo de memória é muito mais sofisticado e ilumina determinados momentos do passado que dão sentido e interagem com o presente. Fazer história é dar sentido. O Canal Viva é apenas um replicante.

Um bom exemplo dessa amnésia crônica são as chatíssimas retrospectivas de fim de ano, despidas de qualquer reflexão mais sólida. E que reiteram apenas a natureza epidérmica da tevê, pura superfície de cenas impactantes, sem a menor profundidade.

A falta de uma política de Estado para a memória televisiva torna as imagens públicas do país em propriedade privada. Nada mais justo que qualquer uso comercial delas pertença às emissoras. Mas, assim como as bibliotecas preservam e catalogam jornais e revistas e ainda auxiliam estudantes, pesquisadores e o público em geral, é necessária a criação de videotecas públicas espalhadas pelo país e conectadas em rede. E que elas permitam acesso livre e universal a toda produção audiovisual brasileira. Aí incluídos a cinematografia brasileira, videoarte e filmes de artistas, e em todas as mídias, do super-8 ao celular.

Tudo isso pode parecer meio utópico, mas há vários anos políticos, produtores e professores têm discutido a respeito da liberdade aos arquivos da tevê. Para efeito de comparação, já existem no Brasil mais de 6.545 bibliotecas localizadas em 4.726 municípios e videolocadoras em quase 80% dos municípios. As videotecas poderiam ser acessadas via internet por todo o mundo.

De certa forma, o Canal Viva mirou no que via e acertou no que não via. No máximo, de esguelha. De olho no mercado cada vez maior da tevê por assinatura nas classes C e D, ele demonstra todo o potencial dos arquivos televisivos, capazes de entreter antigos fãs. E de atrair novos telespectadores curiosos com as diferenças e semelhanças das produções feitas há 10, 20 ou 30 anos.

Nesse sentido, é uma ótima pedida sintonizar a TV Brasil e assistir ao Musicograma , com imagens de shows de Cartola e Beth Carvalho, João Bosco e Clara Nunes, Moreira da Silva e Jards Macalé, e Lúcio Alves e Dick Farney, no clássico dueto de Tereza da Praia .

O diretor Luiz Carlos Pires garimpou mais de 200.000 horas de material, o que garante muitos bons programas por muito tempo. Para não dizer que são apenas imagens antigas, esta segunda o Musicograma traz as cantoras Teresa Cristina e Roberta Sá. Isso sim, vale a pena ver de novo.

Musicograma - TV Brasil - Segunda, às 0h30. Reprise às sextas, às 18h30.

'A Casa das Sete Mulheres', minissérie de sucesso da Globo, reprisará no canal Viva
'A Casa das Sete Mulheres', minissérie de sucesso da Globo, reprisará no canal Viva
Foto: Divulgação
Redação Terra

compartilhe

publicidade
publicidade