TV

publicidade
30 de julho de 2010 • 07h55

No comando do 'Busão do Brasil', Edgard Piccoli estreia na Band

No reality show comandado por Edgar Piccoli, 12 viajantes disputam R$ 1 milhão morando em um ônibus especial, decorado como uma quitinete, porém sem janelas
Foto: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias / TV Press
Arcângela Mota

Edgard Piccoli demonstra segurança quando o assunto é sua carreira de apresentador. Prestes a entrar no ar à frente do reality show Busão do Brasil, que estreia dia 30 na Band, este paulistano de 45 anos não se mostra intimidado com a chance de comandar, pela primeira vez, um programa em uma grande rede de TV. E se apoia em seus 14 anos de experiência na MTV e quatro no Multishow para passar credibilidade como o Pedro Bial do reality da Band, que acompanha o dia a dia de 12 pessoas confinadas durante três meses em um ônibus que percorre 11 estados brasileiros. "Ao longo desses anos adquiri uma versatilidade que me deixa mais tranquilo. É um projeto distinto, mas estou bem à vontade. A repercussão maior não me assusta", afirmou.

No reality, os 12 viajantes disputam R$ 1 milhão morando em um ônibus especial, decorado como uma quitinete, porém sem janelas. O único contato com o mundo exterior é durante a realização de provas, que se passam em cada uma das 16 cidades onde o ônibus vai estacionar. A cada semana, três participantes são escolhidos pelo público para uma espécie de paredão, onde os próprios colegas de confinamento escolhem quem vai deixar a competição. Apesar de circular por várias regiões do Brasil, a interação entre os participantes e o apresentador é feita somente por um monitor, já que Edgard grava o programa em um dos estúdios da Band, em São Paulo. "Meu papel é fazer com que o viajante mostre o seu melhor e pior a partir do diálogo com eles. Quero desenvolver uma relação específica com cada um", ambicionou.

Apesar de seguir a mesma estrutura básica dos reality shows, Busão do Brasil, versão brasileira do famoso formato da produtora holandesa Endemol The Bus, conta com algumas mudanças que o diferenciam das versões exibidas em países como Holanda, Espanha e Bélgica. A principal delas, segundo Edgard, está na execução das provas e tarefas, que sempre envolvem ações sociais em alguma das comunidades por onde o ônibus passa. "O foco não é esse, mas também não fica só no entretenimento pelo entretenimento. Se a gente pode colocar algo que engrandeça, por que não?", justificou. Mas nem por isso o programa deixa de apostar nos dilemas típicos do formato. "A gente faz um programa de TV e quer que a coisa ferva. Um programa desse perfil que não gere polêmicas já sai atrás", argumentou.

Com uma carreira voltada majoritariamente para o público jovem, Edgard garante estar preparado para dialogar com telespectadores de todas as idades. E conta que não pensa em fazer nada muito diferente do que vinha fazendo em seus trabalhos anteriores. "É engraçado que as mães sempre me adoraram, mesmo trabalhando para públicos jovens. Agrego muitas faixas etárias e cheguei à conclusão de que não vou precisar fazer nada muito diferente", analisou o apresentador, que diz nunca ter canalizado sua carreira para uma área específica. "Meu foco é a comunicação. Minha imagem ficou mais associada à música, mas sempre corri atrás de trabalhos distintos. Sei das minhas possibilidades e conheço os meus defeitos", ponderou.

Sem temer críticas e comparações com outros apresentadores de reality shows, Edgar diz que tem a expectativa de se relacionar de uma maneira diferente com os participantes. "Espero criar a minha maneira de comunicar e relacionar com eles. Mas não tenho medo de críticas. Vou fazer o que considerar mais adequado", assegurou ele, que rompeu seu contrato com o Multishow no final de junho para assinar com a Band, já com o convite para apresentar o reality. "Já havia trabalhado com o Hélio Vargas, diretor de programação da Band, e era uma vontade antiga repetir a parceria. Finalmente deu certo", comemorou o apresentador, que tem contrato de um ano com a emissora.

Busão do Brasil - Estreia dia 30 de julho, às 22h, na Band.

TV Press