0

Ator diz que interpreta gay "sem purpurina" em 'Ti-ti-ti'

21 ago 2010
08h12
Manoela Reis

Rafael Zulu está tendo de conter sua interpretação. Na pele do crítico de moda Adriano em Ti-ti-ti, um dos braços direitos de Jacques Leclair e Suzana, vividos por Alexandre Borges e Malu Mader, o ator está preocupado em não fazer de seu primeiro personagem homossexual uma figura caricata. "Eu e o Jorginho estamos investindo em uma interpretação limpa. Deixamos os exageros de lado e queremos mostrar um gay de verdade. Sem purpurina, pois assim é a personalidade dele", explicou, referindo-se ao diretor da trama, Jorge Fernando. Maria Adelaide Amaral, autora do remake, se inspirou no crítico norte-americano André Leon para criar o personagem, já que ele não estava na versão original de Ti-ti-ti, de Cassiano Gabus Mendes, exibida em 1985, na Globo. "O Leon foi até mencionado na sinopse do papel. Com isso, a ideia dela é de uma figura chique, elegante. Um comportamento exagerado não combina com esse tipo de postura", justificou.

Nome: Rafael Gervásio dos Santos.
Nascimento: Em 14 de setembro de 1982, no Rio de Janeiro.
O primeiro trabalho na TV: O Bira de Prova de Amor, exibida em 2006 pela Record.
Interpretação memorável: "O Brad Pitt, como o Aldo Rayne, no Bastardos Inglórios. A atuação dele me impressionou muito", contou, referindo-se ao filme de Quentin Tarantino.
Um momento marcante na carreira: "O que estou vivendo agora. O Adriano é um dos personagens mais complexos que já interpretei na TV".
Sua atuação inesquecível: Na peça O Retrato de Dorian Gray. "Foi uma fase bem bacana. Recebi muitos elogios por conta desse espetáculo".
Ao que gosta de assistir: Filmes. "Prefiro os de ação. Mas depende muito do meu humor. Às vezes, um romance cai muito bem".
Ao que nunca assistiria: Programas de vale-tudo. "Não gosto de ver briga. A vida já é tão violenta".
O que falta na televisão: "Sinto falta do humor de verdade e não dessa coisa politicamente correta. Principalmente na TV aberta".
O que sobra na televisão: Violência. "Setenta por cento de um jornal é tragédia. Confesso que eu deixei de assistir aos telejornais por causa disso".
Ator: Morgan Freeman. "Quero envelhecer como ele".
Atriz: Meryl Streep e Lilia Cabral.
Com quem gostaria de contracenar: Tony Ramos. "As pessoas falam tão bem dele nos bastidores. Já gosto do Tony sem nem mesmo conhecê-lo".
Papel mais difícil de compor: Adriano, de Ti-ti-ti. "Ele tem tirado minhas noites de sono".
Papel que gostaria de interpretar: Hamlet, da peça homônima de William Shakespeare.
Se não fosse ator, o que seria: Engenheiro de Telecomunicações.
Com quem gostaria de fazer um par romântico: Penélope Cruz.
Melhor trilha sonora de novela: Top Model, de Walther Negrão e Antônio Calmon, exibida pela Globo em 1989. "Lembro de algumas cenas da Malu Mader só por causa da música Oceano, do Djavan".
Melhor abertura de novela: Rainha da Sucata, de Silvio de Abreu, exibida pela Globo em 1990.
Livro de cabeceira: O Navio de Ouro, de Gary Kinder.
Autor favorito: José Saramago.
Diretor favorito: "Gosto de muitos, mas minha referência hoje é o Jorginho Fernando".
Novela que gostaria que fosse reprisada: Roque Santeiro, de Dias Gomes e Aguinaldo Silva, exibida pela Globo em 1985.
Mania: Se benzer antes de entrar em cena e estudar de madrugada.
Projeto: "Estou começando a produzir um espetáculo. Não posso revelar detalhes ainda, mas esse é o meu sonho".

Rafael Zulu vive Adriano, o braço direito de Jacques Leclair (Alexandre Borges) em 'Ti-ti-ti'
Rafael Zulu vive Adriano, o braço direito de Jacques Leclair (Alexandre Borges) em 'Ti-ti-ti'
Foto: Jorge Rodrigues Jorge/Carta Z Notícias / TV Press
Fonte: TV Press
publicidade