0

Protagonista pela 1ª vez, Isis Valverde fala sobre novela

"Pelas boas oportunidades que tive desde a minha estreia na TV, muita gente me cobrava sobre quando eu iria protagonizar uma trama"

3 set 2014
20h32
atualizado às 20h35
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Isis Valverde é Sandra em 'Boogie Oogie'</p>
Isis Valverde é Sandra em 'Boogie Oogie'
Foto: TV Globo / Divulgação

A segurança e a empolgação com que Isis Valverde fala de sua primeira protagonista em novelas impressiona. Até porque, apenas sete anos dividem a jovem intérprete de Ana do Véu, de Sinhá Moça, de 2007, da mulher decidida e ciente de sua carreira que dá vida a Sandra, mocinha da atual novelas das seis, Boogie Oogie. "Pelas boas oportunidades que tive desde a minha estreia na TV, muita gente me cobrava sobre quando eu iria protagonizar uma trama. Mas era uma pressão externa. Me preocupo mais com a qualidade das personagens do que com o peso dentro da novela", jura.

Siga Terra Diversão no Twitter

Aos 27 anos, a atriz mineira da pequena Aiuruoca sabe que ainda há muito a aprender. No entanto, um certo ar de maturidade passou a definir mais suas atuações a partir de trabalhos como O Canto da Sereia e Amores Roubados. Ao protagonizar as duas elogiadas microsséries, Isis, enfim, conseguiu fugir um pouco mais de tipos cômicos e sensuais, algo bem frequente em sua trajetória. "Foram projetos maravilhosos, arrojados, onde pude ter outras experiências de construção e abrir meu leque como intérprete. É muito legal você ganhar personagens diferentes do habitual", valoriza.

Essa "bagagem" angariada nas microsséries é utilizada por Isis em Boogie Oogie. Sandra é uma mocinha tradicional que perde o grande amor em um grave acidente de avião. No entanto, ela acaba se apaixonando pelo sobrevivente do desastre, Rafael, de Marco Pigossi. "A história é bem folhetinesca. Tento dar um tom mais realista ao papel. Acho que faltava uma mocinha clássica como essa na minha carreira. Estou adorando. Até porque ela não é tão doce, nem tão seca, é um tipo bem palatável", avalia.

O deleite de Isis com a personagem começou ainda durante a preparação. A atriz confessa que adorou mergulhar no colorido e exagerado universo do final dos anos 1970, época que ambienta a trama. Entre cenas de Dancin' Days, filmes, músicas e fotos, os figurinos foram o foco de Isis. E para surpresa da intérprete, em seu próprio guarda-roupa. ela pôde encontrar "ecos" da era "disco". "Meu armário tem várias calças boca de sino e muitas coisas de crochê. Gosto dessa estética meio 'hippie' da época também. São coisas que resistem ao tempo e aos modismos", destaca.

Com muitos convites para o teatro e o cinema, Isis teve de adiar alguns projetos para atender ao chamado de Ricardo Waddington, diretor de núcleo de Boogie Oogie. A atitude é justificável. Se hoje a atriz é um nome disputado dentro da Globo, alguns créditos pertencem a Waddington. Foi ele quem bateu os olhos no teste de Isis para Sinhá Moça e a escolheu para dar vida à misteriosa Ana do Véu. "Toda vez que ele me chama para fazer alguma coisa, sei que será legal. Essa confiança é importante", explica. Entre textos e mais textos de Sandra, Isis não se assusta em nada com o trabalho que envolve o posto de protagonista.

Contente com os rumos de sua personagem e com o resultado na audiência, já acima de tramas antecessoras como Meu Pedacinho de Chão, a atriz confirma que não sofre para ver sua mocinha querida pelo público. Mas dá o melhor de si pela boa repercussão de seu trabalho. "Nunca idealizo nada porque depois a frustração pode ser maior. No entanto, faço tudo com amor, carinho, dedicação, buscando uma reposta positiva", garante.

<a   data-cke-saved-href=Resumo de novelas

Veja também:

Parque de ferromodelismo é inaugurado sob pista de esqui na Alemanha
Fonte: TV Press
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade