0

Ator de 'Flor do Caribe' atuou em 'Buffy' e 'The Shield'

11 abr 2013
09h16
atualizado às 09h16
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
Rosario vive um capanga na trama global
Rosario vive um capanga na trama global
Foto: Luiza Dantas/Carta Z Notícias / TV Press

Marcio Rosario gosta de uma boa aventura. E é dessa forma que ele encara seu trabalho em Flor do Caribe, onde, na pele do capanga Ramiro, persegue e maltrata os desafetos do inescrupuloso Dom Rafael, de Cesar Troncoso. "É preciso concentração, pois a novela é recheada de cenas fortes e de muita adrenalina. Ainda bem que estou acostumado a esse tipo de trabalho", conta.

A intimidade de Marcio com sequências de ação vem de suas inúmeras participações em séries americanas, como a vampiresca Buffy – A Caça Vampiros e a policial The Shield, e filmes, como Os Mercenários, onde atuou ao lado de Sylverster Stallone e Jason Statham. "Por conta da minha cara de mau e por ser grande, sou chamado para personagens que precisam desse biotipo, como policiais e bandidos. Não tenho problemas com isso. Mas, quando posso, fujo um pouco do estereótipo", argumenta.

Natural de Santos, litoral paulista, Marcio passou 18 anos morando e estudando produção de Cinema em Los Angeles, nos Estados Unidos – o que justifica sua experiência em filmes e séries internacionais. Residindo novamente no Brasil desde 2005, o ator participou de tramas como Belíssima, da Globo, e Cidadão Brasileiro, da Record. Paralelamente, pôs em prática sua porção produtor em filmes como Viver Outra Vez, drama que aborda o complexo reencontro entre pai e filho.

"Atuo com prazer, mas adoro produzir. Isso sempre me aproximou mais do cinema. Confesso que tenho me surpreendido com o esquema e a estética cinematográfica que as emissoras brasileiras estão desenvolvendo nas novelas", avalia.

Nome: Marcio Roberto Winterman Rosario.
Nascimento: Em 24 de dezembro de 1971, em Santos, litoral paulista.
O primeiro trabalho na tevê: "Foi em Belíssima (2005), fazendo o investigador Paranhos".
Interpretação memorável: "Adriana Esteves em Avenida Brasil (2012) e Antônio Abujamra em Que Rei Sou Eu? (1989)".
Atuação inesquecível: "No teatro, o Menelão de Balada de Um Palhaço, do Plínio Marcos. No Cinema, o contrabandista Pedro Sanches do longa The City of Lost Souls. E, na tevê, minha participação em The Shield, onde dei vida a um cara com problemas de autoestima".
Momento marcante na carreira: "Quando fui convidado para fazer parte da Fundação dos atores latino-americanos da Casa Branda, o National Hispanic Foudation for The Arts".
A que gosta de assistir na TV: "Seriados, minisséries, novelas e documentários".
A que nunca assiste: "Reality shows".
O que falta na TV: "Espaço para novos autores, atores e diretores mostrarem seus trabalhos".
O que sobra na TV: "Programas sobre fofocas. Para que eles existem mesmo? (risos)".
Ator: "São muitos! Jack Nicholson, Sean Penn, Edward Norton e Lima Duarte".
Atriz: "Outra lista: Fernanda Montenegro, Cleyde Yáconis, Meryl Streep e Julia Roberts".
Se não fosse ator, o que seria: "Adoro a profissão de professor, só não sei se teria vocação para ensinar".
Vilão: Jack Nicholson em O Iluminado, longa de 1980.
Personagem mais difícil de compor da sua carreira: "Foi na tevê americana, o policial Santos da novela Days of Our Lives. O papel tinha várias nuances e mudou muito durante a temporada. Era praticamente um bipolar".
Melhor bordão da TV: "Tô Pagaaaaando!", da personagem Lady Kate, do Zorra Total.
Novela que gostaria que fosse reprisada: "Belíssima", de Silvio de Abreu, exibida pela Globo em 2005.
Com quem gostaria de fazer par romântico: "Acho que contracenar com atrizes que são minhas amigas, como a Claudia Raia ou a Flávia Guedes. Seria engraçado".
Par romântico inesquecível: Regina Duarte e Francisco Cuoco em Selva de Pedra, novela de Janete Clair, de 1972.
Filme: O Silêncio dos Inocentes, de Jonathan Demme.
Livro de cabeceira: Em Busca do Tempo Perdido, de Marcel Proust, e Cem Anos de Solidão, de Gabriel Garcia Marquez.
Mania: "De dar presentes".
Autor: "Paul Haggis, Ryan Murphy, João Emanuel Carneiro, Marcílio Moraes e Lauro César Muniz".
Diretor favorito: Terence Mallick.
Medo: "Dormir e não chegar a tempo para fazer o espetáculo".
Projeto: "No segundo semestre, eu começo a ensaiar a comédia Rainha da Canção, de Alessandro Marson".

Veja também:

Parque de ferromodelismo é inaugurado sob pista de esqui na Alemanha
Fonte: TV Press
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade