publicidade
24 de maio de 2009 • 09h09

Osmar Prado e filha contam como é trabalhar juntos

Janaína Prado é Sonya de Caminho das Índias  Foto: Davi de Almeida/TV Globo / Divulgação
Janaína Prado é Sonya de Caminho das Índias
Foto: Davi de Almeida/TV Globo / Divulgação
 



Muita gente vê Janaína Prado pela primeira vez como a Sonya de

Caminho das Índias

e não imagina que a atriz seja quase veterana. Filha de Osmar Prado, o indiano Manu da novela, Janaína tem carreira consistente já aos 25 anos. "Fiz minha primeira peça aos 5 anos", conta.

Com o pai famoso, ela já contracenou em trabalhos como a minissérie Hoje é Dia de Maria 2 (2005) e o Teleteatro do SBT (1998), em que foram pai e filha num episódio. Na novela, o bate-bola em família poderá crescer, já que Sonya despertou o interesse de Komal (Ricardo Tozzi), filho de Manu.

"A TV, comparada com o teatro, é um pouco fria, você faz e não tem retorno", diz Janaína, que atuou em outra história de Glória Perez, a minissérie Amazônia (2007). Osmar não concorda: "Mas quando o estúdio reage com sua cena, é o primeiro público. O cara está há horas atrás da câmera, cansado. Se ele dá uma risada, é porque ficou bom", acredita.

Janaína garante que não sofre preconceito por ser filha de famoso. "Meu pai é muito querido. Sinto pressão, mas acho que é comum. Tenho uma amiga socióloga e o pai dela é um grande sociólogo. Ela defende a tese de doutorado e as pessoas já sabem quem ela é. No caso do ator, acho que é pior quando os dois são do mesmo sexo", acredita a atriz.

O pai faz coro. "O que não falta são exemplos de filhos talentosos. Veja a Marília Pêra: hoje ninguém fala em Dinorá Marinho (mãe da atriz). Bibi Ferreira é filha do Procópio. Pode ocorrer de eu virar o pai da Janaína", enumera. "Ela é muito mais preparada que eu na idade dela. E ela me dá opinião, porque não sou o dono da verdade, sou um eterno aprendiz", diz.

Entre os conselhos que ele dá à filha, está estudar muito. "Já contracenei com ator que não sabia o texto e fui para cima dele. Que nem jogador de tênis, quando encurrala na rede. Como os grandes atores fizeram comigo no passado, me encurralaram", lembra. Janaína aprendeu na prática. "Fui fazer teste para Confissões de Adolescente. Não sabia o texto e fui dispensada de cara", conta.

Osmar não acredita que o público hoje veja menos novela, e sim que o mercado se expandiu. "A Globo compete com Record, SBT e outras mídias. É saudável. Nada agora bate recordes de audiência, só o 'BBB'", defende ele, que faz críticas ao reality show, mas garante não ter preconceito com ex-participantes, como a colega Juliana Alves, a Suellen da trama.

"É um preconceito errôneo. Vera Fischer não fez pornochanchada, não foi rainha da beleza? Hoje ela é atriz consagrada. Se contracenar com a Juliana, vou ter o mesmo respeito que tenho pelo Lima Duarte. Não nego ajuda nem a figurante, que é tido como excremento da produção", manda Osmar, sem meias palavras.

O Dia