0

Na pele de Lurdinha, Marquezine diz: "virei uma periguete funkeira"

17 mai 2013
12h24
atualizado às 12h33
  • separator
  • 0
  • comentários
  • separator
<p>Bruna Marquezine deu vida &agrave;&nbsp;periguete Lurdinha</p>
Bruna Marquezine deu vida à periguete Lurdinha
Foto: TV Globo / Divulgação

No Encontro com Fátima Bernardes desta sexta-feira (17), o elenco de Salve Jorge se reuniu para falar sobre o último capítulo da trama e disseram que sentirão saudades do convívio com os colegas e também da história criada por Gloria Perez.

Adriano Garib, Nando Cunha, Nanda Costa, Totia Meirelles, Rodrigo Lombardi, Luiz Felipe Mello, Dira Paes, Solange Badim, Tânia Khalill, Thammy Miranda e Bruna Marquezine agitaram o palco do programa global e relembraram histórias de seus personagens.

Luiz Felipe, o menino que deu vida a Junior, filho de Morena (Nanda Costa) na trama, tocou flauta e  emocionou os atores ao interpretar Esse Cara Sou Eu, canção de Roberto Carlos que foi trilha sonora de Salve Jorge. "Queria dedicar para o Rodrigo Lombardi, que é meu melhor amigo", disse.

Questionado pela apresentadora Fátima Bernardes, Rodrigo falou sobre Théo: "na dramaturgia a gente vê heróis com moral inabalável, que só se dão mal porque os outros fazem isso com eles. Mas o Théo é um cara que muitas vezes agiu por impulso e errou, isso trouxe ele para mais perto do público. As pessoas assistem à novela e pensam 'esse cara sou eu'".

Bruna Marquezine fez questão de agradecer a chance que lhe foi dada por Gloria Perez. "Foi muita coisa, eu tive que aprender a lidar com tudo diferente ao longo dessa novela. Eu deixei de ser vista como a mocinha sofredora e virei uma periguete funkeira, que também não tem nada a ver comigo como pessoa", disse ao citar também o namoro com o jogador Neymar, que começou no decorrer da novela, e o assédio em cima disso.

Outro destaque da trama, Thammy Miranda, que interpretou a policial Jô - que se transforma em Lohana para se infiltrar na máfia do tráfico de pessoas - falou da importância do tema e ressaltou que também serviu para combater o preconceito com homossexuais: "ali o que estava em questão é que ela era uma policial e que, indepedente da sexualidade, era competente pra se infiltrar na máfia".

&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;a data-cke-saved-href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://diversao.terra.com.br/infograficos/musas-salve-jorge/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot; href=&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;http://diversao.terra.com.br/infograficos/musas-salve-jorge/iframe.htm&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;quot;&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;veja o infogr&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;aacute;fico&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;lt;/a&amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;amp;gt;

Veja também:

O chef premiado que valoriza peixes considerados menos nobres
Fonte: Terra
  • separator
  • 0
  • comentários
publicidade